8ª edição – Escola de Verão para Atores

12 a 22 julho 2022

Informações

A 8ª edição da Escola de Verão para Atores 2022, com o tema Palavra de Saramago decorrerá de 12 a 22 de julho de 2022, no Teatro Municipal Sá de Miranda.

A Escola de Verão para Atores é uma formação intensiva dirigida a atores profissionais e estudantes de teatro que acontece em pleno palco da Sala Principal do Teatro Municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo, que proporciona uma experiência de 10 dias de residência de criação, partilhados com um professorado de excelência.

Existem 20 vagas para participantes e 25 para assistentes, que acompanham as sessões na plateia.

Professores

Nasceu em Madrid, em 1952. É licenciado em Interpretação pela Real Escola Superior de Arte Dramática e Dança. Ator, Diretor do Grupo Tábano (1974 – 1983) e Diretor do Centro Nacional de Novas Tendências Cénicas (1983 – 1993). Conjugou estas atividades com mais de cinquenta participações em espetáculos profissionais como ator e dramaturgo.
Autor de diversos livros teóricos e várias obras dramáticas.
Foi secretário Técnico do Iberescena entre 2009 e 2019.
Recebeu o Prémio Nacional de Teatro em 1994 e o Prémio Lorca de Teatro em 1997.
É consultor artístico do Teatro do Noroeste – CDV desde 2015.

Iniciou a carreira como ator na Emissora Nacional. Ingressou no Teatro Nacional D. Maria II onde permaneceu de 1957-1967. Integrou Centre Internacional de Recherce Theatral (Paris e Irão) PETER BROOK 1970-1971. Fundou a Comuna Teatro de Pesquisa (1972) companhia que ainda dirige. Como ator e encenador apresentou-se em mais de 20 países de todo o mundo. Em 1992 foi agraciado com a comenda da Ordem do Infante D. Henrique. Em 2007 foi-lhe atribuída a Medalha de Mérito Municipal Grau Ouro e Medalha de Mérito Cultural pelo Ministério da Cultura. Em 2011 foi nomeado Diretor Artístico do Teatro Nacional D. Maria II. Até hoje encenou mais de 100 peças. Tem mais de 20 trabalhos publicados e comunicações realizadas tanto em Portugal como no Estrangeiro.

Ensaísta e professor português, nascido em 1950, em Lisboa, Carlos Reis é Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
Professor de Teoria da Literatura, Teoria da Literatura Comparada, Introdução aos Estudos Literários e Literatura Espanhola (moderna e contemporânea) nesta Universidade antes de 1975, ministra a cadeira de Literatura Portuguesa (moderna e contemporânea).
Prestigiado catedrático, tem sido professor convidado em muitas outras Universidades, a saber: Espanha, Alemanha, Brasil e Estados Unidos da América.
Especializado em Literatura Portuguesa dos séculos XIX e XX e em Teoria da Narrativa, publicou sobre esta área vários livros de prestígio internacional e assinou dezenas de artigos em revistas universitárias.
É coordenador da Edição Crítica da Obra do escritor Eça de Queirós, da História Crítica de Literatura Portuguesa e da Área de Língua e Cultura Portuguesa da Universidade Aberta.
Após a demissão de Francisco Bethencourt Rodrigues, assumiu, em 1998, o cargo de Director da Biblioteca Nacional.
Publicou, entre outras, as obras seguintes: Textos Teóricos do Neo-Realismo; Estatuto e perspectivas do narrador na ficção de Eça de Queirós; Introdução à leitura d’Os Maias; O Discurso Ideológico do Neo-Realismo Português; Dicionário da Narratologia (em colaboração com Ana Cristina M.Lopes); Para una semiótica de la ideologia (tradução parcial de O discurso ideológico do Neo-Realismo Português); Introdução à leitura das Viagens na minha Terra; A Construção da Narrativa Queirosiana. O Espólio de Eça de Queirós (em colaboração com Maria do Rosário Milheiro); Literatura Moderna e Contemporânea (com a colaboração de Ana Nascimento Piedade, Isabel Cristina Rodrigues, Maria João Simões e Maria do Rosário Milheiro). Edição da Universidade Aberta, Literatura Moderna e Contemporânea está dividida em oito capítulos que abrangem o período que começa no Romantismo e acaba no Modernismo.
Ganhou o Prémio Eduardo Lourenço em 2019. Em 2020, Carlos Reis recebe o Prémio Vergílio Ferreira, atribuído pela Universidade de Évora, que o considera “um dos mais relevantes ensaístas da atualidade”, tendo sido galardoado “pelo seu notável contributo no domínio do ensino da Literatura, dos Estudos Literários e da divulgação internacional da Língua e da Cultura portuguesas”.

Coreógrafa, encenadora,  cofundadora do balleteatro (1983), diretora artística do Teatro de Marionetas do Porto desde 2010 e do Museu das Marionetas do Porto inaugurado em Fevereiro de 2013. Tem um vasto percurso de criação artística, no qual destaca o cruzamento de linguagens, nomeadamente dança, teatro e marionetas.  Cedo se interessou por criar momentos de programação ligados à dança, ao teatro e à performance, privilegiando formatos transversais e alternativos e dedicando momentos para criadores emergentes, Recebeu o prémio Almada (1999) atribuído ao balleteatro, como distinção do trabalho realizado ao nível da programação.

Professora convidada pela ESEL- Pós Graduação de Marionetas e Formas Animadas, Escola de Verão para Atores – Teatro do Noroeste CDV, Universidade Lusófona do Porto, entre outras instituições nacionais e internacionais.

 

É membro da direção da Unima Portugal, União da Marioneta Portuguesa, na qual está responsável pelo eixo Educação, Transversalidade e Novas Gerações.

Em 2018 recebeu a Medalha Municipal de Mérito – Grau Ouro. O Porto é a sua cidade de origem, na qual desenvolve o seu trabalho com sentido de urgência e forte dimensão social.

Professora no Instituto de Estudos de Teatro na Universidade Sorbonne Nouvelle – Paris III. Bolseira da Fundação Gulbenkian entre 2000 e 2003, doutorou-se em 2007 com a dissertação La question du poème dramatique dans le théâtre contemporain (Faculdade de Letras da Universidade do Porto / Université Sorbonne Nouvelle – Paris III). É investigadora do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa (FLUP) e do “Groupe de recherche sur la Poétique du drame moderne et contemporain” (Sorbonne Nouvelle-Paris III). Áreas de investigação: Estudos de teatro e estudos de tradução. Traduziu peças de autores franceses, portugueses, brasileiros e argentinos, e vários ensaios sobre teatro, nomeadamente O Futuro do Drama de Jean-Pierre Sarrazac. É membro do comité de leitura da “ Maison Antoine Vitez” e da Associação Portuguesa de Críticos de Teatro. Tem vários artigos publicados sobre dramaturgia moderna e contemporânea e sobre tradução de textos de teatro. Em 2011, foi distinguida pelo governo francês com o título de Chevalier dans l’ordre des Palmes Académiques.

Viana do Castelo, 1979. Licenciado em Gestão Artística e Cultural pelo Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Estreou-se profissionalmente como ator em 1997 e participou em mais de sessenta criações teatrais de várias companhias e projetos nacionais. Entre 1997 e 1999, e desde 2006 até à data, desempenhou também funções como assistente de produção e de encenação, redator e gestor de conteúdos multimédia e responsável de comunicação. Atualmente, para além de editor, dramaturgo e encenador, é diretor artístico do Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana.

É professor de Voz na Escola Superior de Teatro e Cinema e de Técnica de Voz e Elocução na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Tem o mestrado em Ensino da Música (especialidade em ensino do Canto) pela Escola das Artes da Universidade Católica do Porto, a licenciatura em Ciência Política (Relações Internacionais) pela ULHT, a pós-graduação em Teatro Musical na Royal Academy of Music (Londres), a pós-graduação em Ópera e Estudos Músico-Teatrais, pela ESMAE, e curso superior de Canto da Escola Superior de Música de Lisboa. É doutorado em Artes Musicais – Dramaturgia Musical e Encenação – na FCSH da Universidade Nova de Lisboa.
De 2002 a 2009 exerceu, no Teatro Nacional São João, a função de assistente de encenação residente e de direção artística. É responsável pelas funções de professor residente de Voz e Elocução, na mesma instituição, de 2002 até à presente data. Faz parte do corpo docente da ESMAE, desde 2003, na capacidade professor de Voz/Música e Texto do curso de Teatro.
Em março de 2015 foi convidado pela Orquestra da BBC para encenar uma versão concerto da ópera O Castelo do Barba Azul, no Barbican Centre, em Londres.

Natasha Syvanenko, nasceu na Ucrânia em 1995, estudou Estudos Culturais na Universidade de Artes de Kyiv e Direção de Teatro na Universidade Nacional de Teatro, Cinema e Televisão de Kyiv. Começou a trabalhar em teatros ucranianos em 2014, combinando o seu primeiro trabalho de direção com a gestão de teatro.
Fundou e curadoria projetos no Teatro Molodyy e na cena independente (Mystezkyj Arsenal Cultural Complex, Wild Theatre), bem como colaborações internacionais com a Convenção Europeia de Teatro. Trabalhou com diferentes géneros (teatro dramático, teatro físico, imersivo e documental, performances áudio, formato vídeo). Dirigiu produções musicais, coreográficas e interactivas no Molodyy Theatre, Wild Theatre e Personality Theatre em Kiev, bem como no Teatro “V. Vasilka” em Odessa. O seu projeto documental “Scars”, que consistiu numa produção cénica, um formato áudio bem como um formato de vídeo interativo, foi apresentado em seis cidades na Ucrânia e nomeado para o prémio de teatro “Game”.

Preço de inscrição

175€

Prazos

Candidaturas – 1 a 24 de junho
Resultados – 27 de junho

Nº Vagas

Participantes – 20
Assistentes – 25

Local

Sala Principal e Sala Experimental do Teatro Municipal Sá de Miranda

Data

12 a 22 de julho 2021

Horários

10h30-13h00
16h00-18h30
21h00-23h00

Classificação Etária

M/16

Organização

Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana

Alojamento Incluído

O Centro Social e Paroquial de Santa Maria Maior dista apenas aproximadamente 300 metros do Teatro Municipal Sá de Miranda. Trata-se de uma IPSS que mantém atividade protocolada com o Instituto Politécnico de Viana do Castelo para o acolhimento e residência de estudantes do Programa ERASMUS.

Os quartos dispõem de WC privativo. Existe uma cozinha comum que permite a confeção de refeições ligeiras. O CSPSMM dispõe ainda de internet wireless.

A definir