Penumbra

29 maio 2021

Sinopse

É nas horas mortas que vejo vida. Nas aparas do tempo, em queda, suspensas pelos suspiros. Salpicando como gotas de água que sobram de uma sede morta num bebedouro. Do lápis ficam as lascas, as sombras ágeis que esquecem a luz e que, cansadas, deixam a urgência de marcas e se encostam. Para se deixar ser.
As horas caídas, penduradas nos dias, voltam a lembrar perguntas, fazendo sombra nos olhos, para os pôr tombando pelos pensamentos. Cinzas que sempre ficam, para que de vez em quando no ar se espalhem, e se tornem pó, voltando a pousar. Deixando-se estar.
Nas horas mortas, partem os sons, enrolados, deixando um rasto nos ouvidos, no fim da linha do pensamento, na sombra da memória. E aí descansam. Para um dia fazer lembrar.
E o corpo vive, pelos gestos de luz, pelo contorno das sombras, na quietude, nos movimentos, nos desenhos e manchas que ficam das aparas do tempo

Preço bilhetes

4 a 10€

Local

Sala Experimental do Teatro Municipal Sá de Miranda

Data

29 de maio 2021

Sessões

Sábado
19h00

Duração

40 minutos (aprox.)

Classificação Etária

M/6

Criação

Bruna Carvalho

Ficha Técnica

Criação e Interpretação
Bruna Carvalho

Música Original
Bruna Carvalho

Desenho de Luz
Zeca Iglésias, Bruna Carvalho

Cenário
Bruna Carvalho

Direção Técnica
Zeca Iglésias

Cenário
Bruna Carvalho

Imagens
Zeca Iglésias, Bruna Carvalho, Patrícia Carvalho

Produção
Bruna Carvalho, Ana Lage

Produção de Textos
Rita Bernardes, Bruna Carvalho

Apoios
Forum Dança, Eira, O Espaço do Tempo, Musibéria, Teatro do Noroeste-Centro Dramático de Viana, BLX – Biblioteca de Marvila, CEA (Centro de Experimentação Artística), Devir Capa