A sorte que tivemos!

29 maio 2024

Sinopse

Um espectáculo sobre 25 de Abril de 74, óbvio em 2024. Menos óbvio é como pegar nisso. O que dizer, como dizer, a quem dizer. O actor, em cena, deve sempre saber quem é o seu interlocutor, o espectáculo deve saber a quem se dirige. O actor, assim situado, verá brotar as palavras e os gestos com uma eficácia quase garantida sobre o interlocutor. Assim deveria ser com o espectáculo. A quem nos queremos dirigir? A quem viveu o antes de Abril, a quem viveu intensamente Abril, a quem Abril soa a uma coisa do antigamente? Diria que o público preferencial seria este último. E que dizer?  “Não sabem a sorte que tiveram em nascer depois do 25 de Abril”. Porque havia a guerra, claro, porque havia a Pide, claro, porque não havia muita coisa. E porque havia uma coisa que é difícil explicar. Um mal-estar, uma ansiedade, uma apatia, um sentimento de culpa, enfim, uma depressão colectiva? E dizer que por muitas voltas que a História dê ou que nós dêmos à História esta doença nunca mais foi a mesma desde esse dia de lunáticos, sonhadores?

Pedimos a cinco autores que nos ajudassem a dizê-lo. O resultado foi surpreendente. Cada um diz a coisa à sua maneira, o que na verdade era de esperar, e graças ao 25 de Abril (e não a Deus) diz o que lhe apetece.

Preço bilhetes

4 a 10€

Local

Sala Principal do Teatro Municipal Sá de Miranda

Data

29 de maio de 2024

Sessões

Quarta
21h00

Acessibilidade e Mediação

Reconhecimento de Palco
Conversa Pós Espetáculo

Duração

A definir

Classificação Etária

A definir

Criação

Companhia de Teatro de Almada

Ficha Técnica

Textos 
António Cabrita, Jacinto Lucas Pires, Luísa Costa Gomes, Patrícia Portela e Rui Cardoso Martins

Música 
Martim Sousa Tavares

Encenação
Teresa Gafeira

Cenografia e figurinos
Sérgio Loureiro

Interpretação
Carolina Dominguez, Cláudio da Silva, David Pereira Bastos, Duarte Grilo, Flávia Gusmão, Joana Bárcia, João Farraia, João Maionde, Pedro Walter